O que a boca nos diz sobre a saúde de nosso corpo

O que a boca nos diz sobre a saúde de nosso corpo

Quando você vai ao dentista, geralmente o faz pensando em cuidar dos dentes e não na boca como um todo.

Mas a boca pode ser um indicador de fácil acesso e altamente preciso do que se passa no restante do seu corpo.

E manter uma boa saúde bucal pode ser fundamental para que o corpo funcione em ótimas condições.

“Existem alguns comerciais” no Reino Unido, conta o professor Nikos Donos, diretor de pesquisa do Instituto de Odontologia da Universidade Queen Mary de Londres, durante um painel no programa The Evidence da BBC, “que perguntam: ‘Você ignoraria seu olho se ele estivesse sangrando? Por que você ignora a gengiva quando ela sangra?”

“E há pessoas que passam a vida com doenças gengivais graves acreditando ser normal”.

mplas evidências relacionam as doenças gengivais – ou periodontite – ao diabetes e às doenças coronárias, e há cada vez mais estudos que afirmam que a saúde bucal pode ser uma das frentes de batalha mais negligenciadas na luta contra estas doenças.

“Quando falamos sobre as conexões e associações entre diferentes doenças crônicas e outras partes do corpo com a boca, vemos que há uma prevalência de doenças gengivais”, explicou Donos.

“E vemos que a doença gengival é a sexta doença crônica mais comum na humanidade, presente em quase 1,1 mil milhões de pessoas – 11,2% da população”.

Doença gengival

Mulher mostra a gengiva inflamada

A Clínica Mayo, nos EUA, define a doença gengival, ou periodontite, como uma “infecção grave das gengivas que afeta os tecidos moles que circundam os dentes. Sem tratamento, a periodontite pode destruir o osso que sustenta os dentes, fazendo com que fiquem frouxos ou caiam”.

Entre os possíveis sintomas, menciona sangramento nas gengivas, vermelhidão ou dor, ou mau hálito persistente.

E, para além dos danos que pode causar à boca, há ainda amplas evidências que ligam a doença gengival ao diabetes tipo 2.

“Na verdade, estamos atualmente falando de uma relação bidirecional”, disse Donos, “o que significa que os pacientes com doença periodontal correm maior risco de desenvolver diabetes, e os pacientes com diabetes também terão doença periodontal”.

A relação é tão estreita que há estudos que asseguram que bons cuidados bucais em pessoas com diabetes tipo 2 podem ajudar a controlar a doença em geral, de forma fácil e sem grandes efeitos colaterais.

“Um estudo que fizemos há alguns anos mostrou que se você tratar a doença periodontal de maneira convencional – sem intervenção cirúrgica – há melhor controle metabólico nos pacientes, uma melhora significativa que foi mantida por quase 12 meses”, disse Donos.

Também participou do painel da BBC o Dr. Graham Lloyd Jones, radiologista do Salisbury Hospital, no Reino Unido, que garantiu que a relação entre a boca e o diabetes “tem sentido”.

“Temos que ver a boca como um órgão imunológico: se ela estiver comprometida, haverá processos inflamatórios, até mesmo patógenos – bactérias que normalmente vivem na boca, mas passam para outras partes do corpo – que estão envolvidos no desenvolvimento e agravamento de muitas dessas doenças”, alertou o médico.

Da boca para o coração

Uma pessoa com a boca torcida

O diabetes tipo 2 não é a única doença relacionada à doença gengival: como as bactérias da periodontite, que estão fora de controle, viajam pelo corpo através do sistema sanguíneo, elas podem acabar afetando o coração.

“Esses componentes inflamatórios que existem no corpo devido à periodontite e que chegam à corrente sanguínea”, disse Donos, “podem formar placas, que podem levar à formação de coágulos, que podem gerar consequências que vão de problemas cardíacos isquêmicos até infartos”.

Um caso de infecção que pode ser letal e que ocorre quando as defesas da boca estão baixas – devido a uma doença imunológica ou ao uso de medicamentos – é a endocardite.

“Felizmente é uma doença rara”, explica o Dr. Lloyd-Jones, “mas é uma doença infecciosa na qual alguns organismos da boca ficam fora de controle e afetam os tecidos internos do coração”.

“É evidente que esse percurso anatômico da boca, com patógenos que saem para o resto do corpo, é algo real. Com o tempo, esse excesso de bactérias que atravessam a barreira física da nossa boca chega ao resto do corpo através da corrente sanguínea, que pode levar a doenças ou ao agravamento de enfermidades já existentes.”

A relação com a cognição

Casal sorri

Embora as evidências não sejam tão sólidas como nos casos anteriores, alguns pesquisadores começam a revelar uma possível relação entre estas bactérias e o declínio cognitivo na velhice.

Uma delas é a doutora Vivan Shaw, da Universidade de Cambridge, que em seus estudos descobriu que pessoas que chegam à velhice com 21 ou mais dentes apresentam menor deterioração cognitiva do que aquelas que têm menos dentes.

“Embora as evidências sejam relativamente recentes, podemos dizer que se você tiver algum tipo de comprometimento cognitivo e perder a destreza, sua capacidade de escovar ou usar fio dental pode ser afetada”, diz Shaw.

“Também está relacionado a uma questão nutricional: se você tiver menos dentes, certamente terá uma alimentação pior, o que leva a uma maior deterioração cognitiva”.

Lloyd-Jones, por sua vez, falou de uma ligação mais direta: “Há organismos específicos que têm sido associados ao desenvolvimento e agravamento de doenças gengivais”.

“Um em específico, conhecido como gingivalis, é bem interessante. Ele é coberto de neurotoxinas, que matam as células nervosas. Mas esse organismo não fica apenas na boca. Ele sai de nossas gengivas inflamadas e viaja pelo corpo, e é encontrado tanto no cérebro quanto no líquido cefalorraquidiano de pessoas com Alzheimer.”

Para o professor Donos, essas relações entre a boca e os diferentes sistemas do corpo reforçam a importância de prevenir a doença periodontal.

Higiene bucal

Mulher sorri e observa os dentes com espelho

“Todas as doenças bucais são evitáveis ​​e, até certo ponto, tratáveis ​​– com exceção do câncer, que é totalmente diferente”, disse Donos durante o painel.

Para o especialista, é fundamental que as pessoas tenham acesso a um bom sistema de saúde bucal e que façam acompanhamento com um dentista de confiança, com foco na prevenção.

“Esse é o caminho a seguir. E também integrar mais estreitamente a odontologia e a medicina para que, quando visitarmos o nosso médico, o nosso dentista, eles não olhem apenas para os nossos dentes ou para o nosso fígado, mas possam ver o corpo como um sistema e correlacionar os sintomas.”

Um exemplo específico onde essa combinação de especialidades pode funcionar é no pré-natal: segundo o Dr. Shaw, devido às alterações hormonais que ocorrem durante a gravidez, essas bactérias orais podem ganhar força e colocar em risco mãe e bebê.

“Nos preocupa bastante porque aumenta o risco de partos prematuros e de bebês de baixo peso. Por isso, é uma fase em que é crucial falar com as mães e prestar-lhes os cuidados adequados”.

Para Lloyd-Jones, o mais importante é mudar a forma como pensamos sobre a nossa boca: “Temos que pensar no conceito da nossa boca como uma barreira imunitária que requer os nossos cuidados. Cuidar dos micróbios que vivem na nossa boca e que evoluíram conosco e que estão aí para nos proteger.”

Comente